Comissão de Educação da Câmara Municipal vai investigar fechamento de escolas no município

por jan — publicado 12/09/2017 15h25, última modificação 30/08/2018 17h12

JANAÚBA – O vereador Ramon Alexandre Araújo (PMDB) apresentou requerimento de n° 084/2017, durante à sessão legislativa, no último dia 04, na Câmara Municipal, solicitando ao presidente da Casa, Adauri Soares Cordeiro (PMDB), que as Comissões de Saúde, Meio Ambiente, Educação e Assistência Social, apurem possíveis fechamento do CEMEI Mãe Garida, localizado no bairro Cerâmica, Escola Municipal Ludovino Francisco e Escola Municipal Presidente Castelo Branco, das localidades de Jatobá e Lagoa Grande.
O vereador informou que no dia 04, esteve reunido com representantes do Sindicato da área de educação do município de Janaúba, ocasião em que contou com a presença de professores, coordenadores e diretores escolares.
Na oportunidade, foram debatidos diversos assuntos referentes à educação no município. De acordo com o vereador, diante do debate, houve a necessidade de se apurar os possíveis fechamentos dos estabelecimentos de educação no município, uma vez que, as comunidades, das quais fazem parte as escolas que podem ser fechadas, repudiam e reprovam essa ação do município.
Preocupado com o assunto, que pode levar ao fechamento do CEMEI Mãe Garida do Cerâmica e das escolas municipais do Jatobá e quilombola da Lagoa Grande, disse torcer para que tais informações não procedam. Para Ramon, quando se fala em fechar escola, principalmente, na zona rural, logo já vem à cabeça, uma preocupação grande. Por isso, questiona: O que segura o produtor no meio rural, em sua comunidade? Entendo, que ele necessita de escolas para seus filhos, uma unidade de saúde para sua família, acesso à tecnologia, comunicação e de uma boa estrada. “Se ao invés cortar serviços, não ajudarmos o produtor rural, incentivando-o a permanecer no campo, com certeza vamos ter pessoas migrando para a cidade”, observa o vereador. Também, lembrou do cancelamento do pagamento de energia das bombas de poços artesianos que abastecem comunidades rurais, lamentando em relação à decisão da atual administração.
Ramon condenou a justificativa da prefeitura em conter despesas, baseando-se na possibilidade de fechar escolas. Para ele, contar gastos na educação é inadmissível. “Se tem que fazer isso, que faça em outra área, não na edução”, desabafou. Afirmou, que a administração deve ter a educação como prioridade. O parlamentar lembrou ainda, da denúncia que fez, na câmara municipal, sobre o fechamento do Projeto AABB COMUNIDADE, por parte do município, ao não renovar o convênio com o Banco do Brasil e a Fundação Banco do Brasil, que deixou 120 crianças na rua.
O representante do povo gorutubano ressaltou a importância de se manter as escolas nas comunidades rurais, enfatizando que elas facilitam a vida das crianças e seus familiares. Com isso, teriam menos transtornos para estudar. “Com escolas fechadas nas comunidades rurais, as dificuldades aumentariam para se deslocarem até à cidade, além de perderem o vínculo com a comunidade onde vive”, cita o vereador. Por isso, afirmou, que tudo isso deve ser levado em conta e analisado antes de tomar qualquer medida nesse sentido. Disse, que, ao contrário do que a administração tem pregado, é a educação e a saúde, que devem ser prioridade, e não limpeza pública, que considera um serviço básico.
Convite
Diante das informações, o vereador Gilberto Dias (PT), solicitou à Mesa-Diretora da Câmara Municipal, que fosse enviado convite à secretária municipal de Educação, Esporte e Cultura, Luzia Angélica, para comparecer à reunião, com o objetivo de prestar esclarecimento sobre o assunto.
Conselho Municipal de Educação
No requerimento, o vereador ainda solicita informação sobre os critérios utilizados pela administração para a eleição dos membros da Conselho Municipal de Educação, tendo em vista que, o artigo 20, Parágrafo Único do Regimento Interno desse conselho, veda a recondução dos membros e, atualmente, alguns desses compõem o referido conselho por vários anos seguidos.